URGENTE: Venezuela começa operações na fronteira para iniciar invasão

A República Bolivariana da Venezuela começa preparar infiltração de Forças Especiais da Fuerza Armada Nacional Bolivariana (FANB) na Guiana. Incerta a ação futura frente ao Brasil.

Em uma escalada que intensifica as tensões geopolíticas na região, a Venezuela teria implantado quatro contingentes de Operações Especiais na localidade de Paraitepuy, na fronteira com a Guiana e o Brasil.

Cada um desses contingentes é composto por aproximadamente 48 a 50 operadores altamente treinados, abrangendo especialistas da Marinha, Exército e Força Aérea Venezuelana da Fuerza Armada Nacional Bolivariana (FANB), totalizando cerca de 192 operadores de Operações Especiais. Essas unidades especializadas exibem proficiência em diversas disciplinas, incluindo armamentos, comunicações, motores, explosivos, primeiros socorros e inteligência.

Nesse contexto tenso, é relevante destacar que os contingentes das Operações Especiais Venezuelanas estão operando na região de Paraitepuy sem a utilização de uniformes regulares, optando por trajes civis. Essa escolha estratégica visa conferir-lhes maior capacidade de se infiltrar e operar de forma discreta, dificultando a identificação por parte das Forças de Defesa da Guiana (GDF) ou observadores externos.

Mapa 1 – Área da região de Essequibo que o Google Maps apresenta de forma tracejada. Na marca vermelha a cidade de Paraitepuy.

O emprego de vestimentas civis por parte dos operadores das Operações Especiais Venezuelanas representa uma abordagem tática para minimizar a visibilidade e maximizar a eficácia das operações, confundindo potenciais forças opositoras e mantendo uma presença menos ostensiva na região. Essa prática, é uma estratégia adotada por unidades especializadas em diversas partes do mundo para realizar operações secretas e dissimuladas.

A fonte dessa informação é um oficial militar das Forças de Defesa da Guiana, que, por razões de segurança, solicitou anonimato ao divulgar detalhes sobre a movimentação na fronteira. Segundo o informante, a motivação por trás do envio desses contingentes é a crescente apreensão em relação a uma possível incursão no território de Essequibo, situado na Guiana.

Além disso, há relatos de que as Operações Especiais Venezuelanas estão conduzindo treinamentos intensivos com indígenas locais, de ambos os sexos. Essa colaboração tem como objetivo reforçar o apoio às operações especiais, com ênfase em táticas de guerra de resistência, utilização de dispositivos de comunicação avançada e obtenção de informações críticas. Os indígenas estão sendo treinados para desempenhar funções essenciais, incluindo a monitorização das movimentações das tropas brasileiras na região e seus meios.

Mapa 2 – A localidade de Paratepuy, próxima ao tradicional Monte Roraima, e tendo à frente a terra Indígena Raposa Serra do Sol praticamente livre depois das ações neste ano pela FUNAI, IBAMA e Forças Armadas.

Sair da versão mobile
%%footer%%