ELEIÇÕES 2022: Veja a análise dos primeiros programas eleitorais dos candidatos ao governo do Estado

Carlos Brandão (PSB)

Com 5 minutos e 16 segundos, o governador Carlos Brandão, da coligação “Para o bem do Maranhão”, aproveitou o maior tempo de TV para enfatizar as conquistas obtidas nos últimos sete anos e meio da gestão que fez junto com Flávio Dino. E focou em três principais áreas que foram destaques, inclusive, nacionais: saúde, educação e produção (aí incluída a agricultura familiar e os restaurantes populares).

Com boa estética, o programa teve início com a participação do povo e forte apelo pela continuidade do sentimento de mudança que tomou conta do Maranhão nos últimos anos. Teve também uma breve apresentação da vida de Brandão, seu histórico de experiência e ficha limpa na vida pública, e a ratificação do apoio de Flávio Dino e Lula ao seu nome.

Avanços como a expansão das unidades de saúde e marcas como o destaque nacional do combate à pandemia foram exaltados. Conquistas na educação como o Escola Digna e a implantação de várias escolas de tempo integral ganharam destaque. Bem como a construção da maior rede de restaurantes populares do Brasil.

A dobradinha com Flávio Dino no mesmo programa reforça o caminho de continuidade de um governo aprovado por cerca de 60% dos maranhenses. A entrada do vice Felipe Camarão foi a cereja do bolo para destacar que a chapa está preparada para governar o Maranhão, principalmente porque as propostas de expansão de todas as conquistas deram a tônica no primeiro programa.

O jingle alegre, pra cima, e que explica de forma certeira o caminho que o estado deve tomar finalizou o primeiro programa de Brandão com uma proposta que dará o norte para sua campanha: exaltar, com satisfação, que o Maranhão deve continuar avançando.

– Weverton Rocha (PDT)

O senador Weverton Rocha, da coligação “Juntos Pelo Trabalho” tem o segundo maior tempo de TV entre os candidatos ao governo do Estado, com 2 minutos e 35 segundos, e aproveitou o primeiro programa para focar, majoritariamente, em si. Mais de 80% do tempo do programa é ocupado pelo pedetista, em uma estética cansativa, sem emoção e ególatra.

Weverton iniciou seu programa falando da sua infância no bairro do São Cristovão, em São Luís, e ignorou o fato de ter nascido em Imperatriz. De olho no eleitorado evangélico, fez questão de dizer que sua mãe é uma professora evangélica.

Ao se apresentar, lembrou das suas controversas passagens pelo movimento estudantil e pela Secretaria de Esportes no governo Jackson Lago. Sobre o ex-governador, ele apenas citou que se aproximou dele com 14 anos.

O candidato do PDT ocupou o maior tempo do seu primeiro programa para destacar seus mandatos como deputado federal e senador. Ele enfatizou a parceria com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD), o projeto de lei de corte e energia, que ele copiou do deputado estadual Duarte Júnior, e tentou usurpar conquistas da Bancada Federal, como o Hospital do Câncer de Pinheiro.

Diferente de Brandão, que fez questão de mostrar o vice Felipe Camarão, Weverton escondeu completamente Hélio Soares, que é do partido de Bolsonaro.

O fato curioso foi a falta de críticas ao atual governo, do qual fez parte por sete anos. Talvez Weverton esconda da TV a postura combatida que tem feito ele cair nas pesquisas. Em claro sinal de mudança de rumos. Ele finalizou o primeiro programa com promessas vazias.

Em resumo, o primeiro programa de Weverton deixou muito a desejar.

– Lahésio Bonfim (PSC)

Com apenas 19 segundos, Lahésio Bonfim, da coligação “Coragem para mudar o Maranhão”, mal conseguiu falar o seu nome, mas não perdeu a oportunidade de espalhar a fake news que deve nortear a sua campanha: a doação do seu salário como prefeito de São Pedro dos Crentes para construção de casas populares.

A falácia criada por Lahésio é facilmente desmontada quando se pesquisa que ele abriu mão do salário de prefeito por ser servidor do IFMA, e ter optado por continuar com o salário do Instituto federal, já que não poderia continuar recebendo os dois.

Edivaldo Holanda Júnior (PSD)

O ex-prefeito de São Luís Edivaldo Holanda Júnior, da coligação “Maranhão melhor para todos”, explorou, em seus 57 segundos, o fato de ter sido prefeito da capital e, por isso, ter a experiência necessária para governar o Maranhão.

Edivaldo iniciou o seu programa exaltando suas ligações e da sua família com a religião. Enfatizou o sonho que tem de ser governador do estado e afirmou ter, após oitos anos na Prefeitura de São Luís, experiência e trabalho comprovado.

Em suma, um programa sóbrio e convincente.

Blog do Domingos Costa